- Publicidade -

O Governo do Tocantins informou que vai parcelar as dívidas que possuí com os prestadores de serviço do Plansaúde, o plano de saúde dos servidores públicos estaduais. O parcelamento será em até 18 vezes dependendo do mês em que a dívida foi contraída. Enquanto isso, os usuários continuam tendo dificuldades para marcar exames, consultas e até procedimentos, já que parte dos profissionais deixou de atender o plano.

O Sindicato dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços da Saúde do Tocantins (Sindessto) deliberou em assembleia geral realizada nesta segunda-feira, 7, nova paralisação dos atendimentos ao Plano de Assistência ao Servidor (Plansaúde). A suspensão será iniciada no dia 22, conforme informa comunicado da entidade, que já havia interrompido os serviços em julho.

Após o Sindessto anunciar nova paralisação dos atendimentos ao Plano de Assistência ao Servidor (Plansaúde), o governo estadual afirmou em nota que “não foi notificado oficialmente” da decisão da categoria. Apesar disto, a diretoria do Plansaúde estaria entrando em contato com os prestadores de serviço para “tomar as providências necessárias”.

De acordo com o planejamento divulgado pelo governo, as dívidas de maio deste ano serão pagas em outubro. As de junho serão liquidadas em novembro e o parcelamento será feito com o total de dívidas referentes aos meses de julho agosto e setembro, cerca de R$ 60 milhões. A primeira das 18 parcelas está prevista para dezembro, junto com os débitos de outubro.

Atualmente mais de 81 mil pessoas são atendidas pelo plano em todo o estado e o sistema está sendo reestruturado. O governo diz que ainda esta semana deve divulgar uma nova lista com profissionais e especialistas que vão atender pelo Plansaúde.

“Todos os planos pagam com 60 dias e é esse o nosso objetivo também. Então eles vão prestar o serviço e receber em dia. E para o usuário, automaticamente, ele também vai ter o impacto de um prestador que está recebendo, que está satisfeito e vai ter um atendimento de qualidade para eles”, disse o diretor do Plansaúde, Inejain Siqueira.

*(Com informações do Portal CT e G1 Tocantins)