- Publicidade -

Visando a qualificação profissional e como consequência o bom desenvolvimento das atividades nas unidades socioeducativas, a Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju) capacitou 125 servidores em curso básico de suporte à vida e atendimento de primeiros socorros, por meio da Escola Superior de Formação e Qualificação Profissional da Superintendência de Administração do Sistema de Proteção dos Direitos da Criança e Adolescente. A realização do curso de capacitação foi em parceria com Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e Liga Acadêmica do Trauma em Enfermagem (Late).

Segundo a gerente da Escola Superior de Formação e Qualificação Profissional, Rute Andrade dos Santos, a finalidade do curso foi instruir os servidores do Sistema Socioeducativo a agir de maneira adequada em situações que necessitam de primeiros socorros. “O objetivo foi atender às exigências do Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase) quanto à capacitação e orientação de todos os servidores, visando ainda à segurança e atendimento de vítimas dentro do ambiente de trabalho”, afirmou.

O curso foi ofertado através de cinco turmas, com 25 pessoas cada, totalizando 125 servidores capacitados.  A capacitação iniciou no dia 21 de março e foi finalizado no último dia 5. Cada turma teve aulas durante dois dias da semana, totalizando 16 horas/aula. Conforme a gerente da Escola Superior de Formação e Qualificação Profissional novas turmas serão formadas para serem capacitadas no segundo semestre, com o objetivo de alcançar todos os servidores da Gerência do Sistema Socioeducativo.

Para a agente de Segurança Socioeducativo, Leidiane de Paula Silveira, que trabalha no Centro de Internação Provisória (Ceip) de Palmas, que o curso além de capacitar para o trabalho com os socioeducandos também preparou para a vida. “Não servirá apenas para minha profissão, mas levarei esse conhecimento para todo ambiente que eu for. Poderei ajudar um familiar ou alguma pessoa que esteja precisando”, ressaltou.

A agente destacou que as unidades de medida socioeducativa tem profissionais capacitados, no entanto são os agentes de Segurança Socioeducativo que lidam diretamente com os adolescentes. ”Temos enfermeiros e técnicos de enfermagem na unidade, porém nós que possuímos contato direto com os jovens. Se acontecer algo, nós poderemos auxiliar até a equipe chegar”. Leidiane afirmou que o curso somou para o seu desenvolvimento e espera que outros cursos semelhantes possam ser ofertados.