Morte de tocantinense que estava em Brumadinho é confirmada

O mecânico Wanderson Mota está entre os mortos após o rompimento da barragem; ele será enterrado em Filadéfia, norte do Estado.

A família do mecânico Wanderson Mota, de 32 anos, que trabalhava na empresa Vale e estava entre os desaparecidos após o rompimento da barragem em Brumadinho (MG), confirmou a morte do trabalhador. De acordo com a esposa dele, a comerciante Simone de Jesus, de 38 anos, a informação foi repassada pelo Instituto Médico Legal (IML) de Belo Horizonte (MG) na tarde desta segunda-feira.

Entretanto, o nome de Wanderson continua na lista de “desaparecidos” mantido pelo site da Vale, empresa de mineração, responsável pela barragem de rejeitos. Nossa reportagem tentou entrar em contato através do telefone disponibilizado pela empresa para maiores informações, mas as chamadas sequer são completadas.

Foram resgatadas com vida 192 pessoas, mas outras 290 continuam desaparecidas. A maioria é de funcionários da Vale. Entre os desaparecidos também estão 35 pessoas que fazem parte de um grupo de hóspedes e funcionários da Pousada Nova Estância, que ficava à margem do Córrego do Feijão, em Brumadinho.

As buscas foram intensificadas nesta segunda-feira, 28, com a chegada de 130 soldados e toneladas de equipamentos que vão ajudar a localizar sinais de celulares embaixo da terra para tentar encontrar pessoas ainda com vida. Os equipamentos também permitem identificar corpos que se encontram embaixo do solo, permitindo o resgate pelo corpo de bombeiros.