- Publicidade -

 “Poesia, música, história, cultura popular e muita energia! Um espetáculo emocionante e diferente de tudo o que você já viu.” Assim promete ser o espetáculo teatral “Zé”, de A Barraca Cia de Artes, que circulará em diferentes pontos da Capital nesta semana. Em todas as apresentações, a entrada é franca.

A estreia acontece na próxima quarta-feira, 29, às 20 horas, na Grande Praça do Espaço Cultural José Gomes Sobrinho. Posteriormente, o grupo circula por feiras livres da Capital com apresentação na quinta-feira, 30, na feira da 1106 Sul; no sábado, 1º, na feira da Praça Joaquim Maracaípe em Taquaruçu; e no domingo, 2, na Feira da 307 Norte (Feira da 33) e Feira do Bosque.

Na terça-feira, 27, o grupo apresenta um ensaio aberto na Escola Municipal Beatriz Rodrigues (405 Norte) para os alunos da Educação de Jovens e Adultos, com um bate-papo com a plateia após a apresentação.

As atrizes Cleuda Milhomem, Cinthia Abreu, Iva de Oliveira, Leidiane Martins e Magna Carneiro se revezam em cena com música, dança e teatro para elucidar, através da composição cênica ator-conceito-linguagem, a visão artística de José Gomes Sobrinho. Além da linguagem de cultura popular no teatro de rua, o espetáculo traz uma proposta diferenciada até na execução musical, com instrumentos nada convencionais, como pedaços de telha, azulejo, canos, serrote, martelo, balde com água e pilão, entre outros elementos.

Espetáculo

Resgatando a linguagem mambembe, a proposta de “Zé” é abordar o mundo lírico do poeta José Gomes Sobrinho (in memorian), por meio de seus textos, música e principalmente pelo modo como as pessoas o viam, trazendo à tona sua visão de mundo, suas concepções a cerca da vida e de sua realidade.

A primeira montagem do espetáculo aconteceu no ano de 2014, em homenagem aos dez anos de falecimento do poeta que é referência para a cultura tocantinense. A direção do espetáculo é de Nival Correia. “Não se trata de uma referência biográfica ao José Gomes Sobrinho, mas pretendemos sim dar movimentos, expressões, cores e sentimentos à obra poética dele, tornando-a visual”, explica.

Assistente de direção do espetáculo, a atriz Magna Carneiro complementa que o espetáculo traz não só uma releitura das obras do artista com música, dança e interpretação teatral, mas também da vida particular do artista. “Mostramos ao público um ‘Zé’ que todo mundo tem uma história para contar, um episódio que vivenciou, buscando estimular o público a compreender subjetivamente as concepções que norteavam o artista a cerca de suas obras e da vida”, ressalta.

Circulação

O espetáculo foi retomado neste ano pelo projeto de A Barraca Cia de Artes intulado “Zé nas Feiras”, que visa circular nas principais feiras populares da Capital com foco na formação de plateia. O projeto “Zé nas Feiras” acontece via patrocínio do Programa Municipal de Incentivo à Cultura (Promic), da Fundação Cultural de Palmas (FCP), com apoio das empresas Jorima, Kroma Vídeo e Trio Baú.

“Buscamos trabalhar o desenvolvimento artístico e cultural para o público que por muitas vezes não tem condições ir ao teatro”, conta a produtora do projeto, a atriz Cleuda Milhomem. Ela acrescenta ainda que a proposta é também trabalhar o fortalecimento da identidade da cultura regional, por meio da divulgação dos poemas e crônicas de José Gomes Sobrinho. “Zé dizia que não morria nem que o matassem e o nosso espetáculo é a prova disso, pois a vida e obra de José Gomes Sobrinho ainda estão bem vivos em nossos corações tocantinenses”, conclui.

História

A Barraca foi criada em 2002 e surgiu da necessidade de um grupo de artistas em fomentar a cultura de um modo em geral. Sempre focando a importância da arte como instrumento de transformação e integração social das diferentes camadas da sociedade, é que a Barraca busca levantar discussão referente à cultura, a arte e a educação (para a saúde, o trânsito o meio ambiente e etc), principalmente realizando trabalhos e intercâmbios entre especialistas, profissionais da arte, e sociedade. Os espetáculos e esquetes realizados pela “A Barraca Cia Experimental de Artes” utiliza, em sua maioria, a linguagem de teatro de rua permitindo assim a apresentação de seus trabalhos em diversos espaços e oportunizando o acesso à cultura e a arte à sociedade em geral, principalmente as camadas com maior dificuldade de acesso aos espaços de promoção da cultura e arte em nossa cidade.

fotos: Elton Abreu

Homenageado

Nascido em 1935, em Garanhuns (PE), José Gomes Sobrinho chegou ao Tocantins em 1989. Presidente do Conselho Estadual de Cultura, José Gomes Sobrinho era acadêmico da ATL- Academia Tocantinense de Letras, ocupante da cadeira nº, 28 e da Academia Palmense de Letras, cadeira 09. Autor de 13 livros publicados, José Gomes presidia também o Fórum Nacional de Conselheiros Estaduais de Cultura.

Agenda

Dia 27/11 – Escola Municipal Beatriz Rodrigues, às 19h30 (ensaio aberto)

Dia 28/11 – Grande Praça do Espaço Cultural, às 20 horas

Dia 29/11 – Feira da 1106 Sul, às 20 horas

Dia 1º/12 – Feira da Praça Joaquim Maracaípe, às 20 horas

Dia 2/12 – Feira da 307 Norte (Feira da 33), às 11 horas

Dia 2/12 – Feira do Bosque, às 20 horas

Entrada franca