Conheça os aplicativos de rastreamento da covid-19 usados pelos países

Diversos países têm inovado nas estratégias para combater a covid-19, doença respiratória causada pelo novo coronavírus. Além do distanciamento social e do fechamento de atividades não essenciais, uma das alternativas adotadas foi a criação de aplicativos para rastrear a doença.

Esses softwares utilizam o sistema de localização do celular para saber onde o usuário está e se está próximo de pacientes infectados —que têm a possibilidade de informar o diagnóstico na ferramenta. Em alguns casos, até a quantidade de tempo. Tudo isso sem ter a identidade revelada.

Entenda como funcionam esses aplicativos:

Com isso, aliam-se duas técnicas: a vigilância participativa, que surgiu com o monitoramento de rebanhos no Brasil na década de 1980, e o rastreamento de contatos, uma ação de vigilância epidemiológica.

É o que explica o professor de Saúde Coletiva da UnB (Universidade de Brasília), Jonas Brant. Para o epidemiologista, a tecnologia mostra “como o celular pode ser útil no rastreamento de contatos” e, assim, reduzir o número de infectados.

“A partir de 1 caso, é possível identificar e monitorar durante 14 dias”, continua o docente. No entanto, a baixa adesão ao aplicativo —já que o uso é voluntário, não obrigatório— faz com que a notificação sobre possíveis contágios seja ainda menor.

Estudo da Universidade de Oxford, no Reino Unido, mostra que 60% da população do país deveriam utilizar o software para que a tecnologia fosse eficaz na mitigação dos casos. A taxa sobe para 80% se considerar só os que têm celular. “Baixar o aplicativo é fácil. Difícil é conseguir que as pessoas usem por 1 longo período de tempo”, alerta Brant sobre a necessidade de engajamento na ferramenta.

O aplicativo indiano Aarogya Setu é o que mais foi baixado: tinha 127 milhões de downloads até o fim de  julho. Mesmo assim, só atingiu 9% da população da Índia. Dessa forma, a chance de um possível infectado ser notificado sobre a contaminação é menor que 1%. O país é o 3º em número de casos e o 5º em mortes. Outras críticas incluem o fato de o aplicativo coletar mais dados que o necessário e os compartilhar com o governo.

Assim como a Índia, a França e a Austrália buscaram criar as próprias tecnologias —StopCovid France e Covidsafe— em vez de utilizar tecnologia da Apple e do Google. As motivações incluem a segurança e a privacidade dos dados.

“Algumas instituições de pesquisa não dão acesso ao Google e à Apple, porque, basicamente, a gente estaria dando lucro para essas empresas com base informações pessoais”, critica o professor. O japonês Cocoa (Covid-19 Contact-Confirming Application) chegou a 6,1% da população e foi criado com base em tecnologia da Apple e do Google.

Já a tecnologia da Alemanha, o Corona-Warn-App, tem o 2º maior número de downloads e chegou a 19,8% dos habitantes. A taxa, mais que o dobro da indiana, ainda não é suficiente. Alemães reclamaram que o Sistema Android havia bloqueado o uso do aplicativo em 2º plano —isto é, com a tela desligada ou quando se utiliza outra funcionalidade do celular—, o que impedia a coleta de dados necessária para o rastreamento. O governo diz que o problema foi solucionado.

O Coronavírus SUS alcançou cerca de 4,7% da população brasileira. O país é o 2º em número de casos e de mortes pela infecção viral. Além do rastreamento, uma funcionalidade implantada recentemente, é possível verificar sintomas e ajudar o usuário a identificar casos suspeitos e onde procurar ajuda médica. No entanto, houve críticas quanto a isso. Falhas no design, que poderiam dificultar o uso, e falta de dados atualizados também foram identificadas por usuários.

Outro aplicativo nacional é o Guardiões da Saúde, que surgiu para o monitoramento do Distrito Federal, mas pode ser utilizado em outros Estados e países. Brant sugere que esse aplicativo é 1 exemplo a ser usado dentro de instituições, como é o caso da UnB. Seria uma espécie de “vigilância institucional”, na qual haveria o monitoramento de casos e de contaminações dentro do espaço de trabalho e estudo.

___

*Redação com informações Poder 360