Atitude do prefeito gerou desconforto pessoal e político, surpreendendo até mesmo os seus mais fiéis defensores.
- Publicidade -

O Diário Oficial do Município de Dianópolis trouxe no último dia 27 a exoneração do secretário municipal de obras e transportes Paulo Roberto da Cruz Rosa. Fontes do portal Tocantins Agora que trabalham na prefeitura afirmam que esta foi uma decisão isolada do prefeito, já que dois vereadores teriam defendido a continuação de Paulo na secretaria de obras.

Após a canetada do Prefeito Padre Gleibson Moreira (sem partido), o gestor ainda teria afirmado a pessoas mais próximas, que o pedido de exoneração partiu do vereador – que é de sua base –  Domingos Cirqueira (PSB), o que não é verdade e nós apuramos a fundo.

O vereador Domingos é amigo pessoal do ex-secretário e de sua família, contudo não tem poder nem de indicação nem de exoneração. O portal Tocantins Agora apurou ainda que Paulo Roberto da Cruz Rosa foi um dos apoiadores de Domingos na eleição municipal de 2016.

Não se sabe o porquê de o prefeito exonerar um auxiliar de primeiro escalão e não chamar para si a responsabilidade da canetada, que, sem nenhuma dúvida poderá fazer crescer a crise política e o inferno astral que a administração de Gleibson Moreira vive desde agosto do ano passado quando finalizou as festividades do escandaloso aniversário da cidade.

Aliás, foi em agosto do ano passado que Gleibson Moreira perdeu o seu líder na Câmara, e desde então o prefeito nunca escolheu outro líder entre os 11 parlamentares. A cidade ainda se pergunta se é por falta de confiança ou pela falta de tato político do prefeito.

Mesmo sem um líder que represente o prefeito na Câmara muitos vereadores continuam na base e fazem sua defesa quando assuntos polêmicos são debatidos em sessão. Domingos é um destes, ou era. A exoneração do secretário de obras e transportes teria sido mais um ato comum do executivo, não fosse o pretexto falso criado pelo prefeito para aliviar o peso de sua caneta, colocando culpa em um vereador, gerando uma indisposição política e colocando em xeque uma amizade que ultrapassa, em muito, os bastidores da política.