EDITORIAL: No meio da pandemia havia um poeta tocantinense de Porto Alegre

Encontrei pelas redes sociais que um jovem do interior tocantinense lançaria sua primeira obra.

Isaac Pimentel teve sua primeira noite de autógrafos no dia 21 de janeiro, numa quadra de esportes de Porto Alegre do Tocantins preparada para brindar o lançamento de seu livro. Logo quis conhecê-lo e saber mais do livro, nos falamos pela internet, consegui adquirir um exemplar.

“Amor & Utopia” tem a virtude de conseguir revestir de leveza o que geralmente e naturalmente é pesado e sofrido para alguns. Devo ter lido, no mínimo, umas 12 vezes até conseguir escrever algumas palavras.

O que era pra ser uma notícia, transformou-se numa entrevista que transformou-se em um editorial. Desses que este pequeno editor faz questão.

A obra de Pimentel me encontrou em um momento particularmente especial, me recuperava da Covid-19 e ainda, sob a boba arrogante ótica -ferida- de que o amor romântico é mesmo algo para os livros e filmes.

Isaac dividiu sua obra em três momentos, ou sentidos, como ele mesmo chama.

Minha percepção é que as dez poesias do primeiro capítulo correspondem ao que sentimos no primeiro amor, com toda aquela possibilidade de eternidade e de juras.

No segundo sentido (capítulo), os versos surgem como ar frio que entra nos pulmões para refrigerar a alma, é o tom do amor/paixão que queima rápido, que é cheio de intensidade e perigo, queima como gasolina e rapidamente evapora. É possível sentir isso em cada página.

Fiquei intrigado com o verso que tomo a liberdade de reproduzir um pequeno trecho;

“o novo é sempre bom, dizem

mas, por que o novo precisa acabar com outro?

se ficassem vários novos

e não existissem fins

não existiria essa saudade

que machuca

aperta e parte o peito”

(Enfim em fim)

Isaac Pimentel aquece como lenha a utopia que nunca deveríamos perder: a de sonhar com um futuro bom, e mais, como dizia Guimarães Rosa, a utopia de “amar depois de ter amado”.

O derradeiro capítulo já surge cravando nas primeiras páginas algo sobre as dolorosas recaídas para reconhecer “quem não é a pessoa certa”, revela uma avalanche de sentimentos e experiências que levam ao amor maduro, sobretudo o amor próprio. Compreende o incompreensível. A poesia titulada por “Amor de Quinta” é indicada somente para os fortes, ou para aqueles que descobriram que é hora de dizer adeus e partir.

Me impressionou a forma gigante e refinada da escrita de Isaac, um jovem de 22 anos, que rabiscou na alma dos seus leitores ao eternizar com tamanha maestria as frases a seguir;

“torna teus dias de tristezas raros

e viva abusadamente

da sensação real de ser feliz.

A todo custo.”

(Com amor, a todo custo)

É algo raro de surgir. É tocantinense, é um orgulho nosso, aqui da terrinha!

Mas Isaac faz mais que isso, ao lançar seu primeiro livro, resgata e traz pra perto da nossa realidade a literatura, inspira por lutar e conquistar um sonho, nos lembra que a palavra tem poder, aliás, outro escritor, mais maduro que eu gostava de dizer: “Basta uma palavra para mudar”.

Publicidade

Publicidade

As palavras de Pimentel afagam, mudam, transformam e excarceram.

O amor, a solidão e a incompletude da vida no momento atual fazem a obra de Isaac ainda mais especial. Há ainda no livro uma sugestão de playlist no Spotify (de encher os olhos d’água, frise-se) para acompanhar a maravilhosa viagem reflexiva proposta nos versos. Ao final deste editorial deixarei o link da playlist.

A poesia de Isaac é também uma forma de resistência. Resistencia à solidão (do isolamento), à opressão (do sentir), ao medo (de ir), à amargura (de ir e ficar só), à falta da presença do outro e até de si próprio, à incompletude.

Fernando Pessoa declamou ao mundo: “O poeta é um fingidor, finge tão completamente, que finge que é dor a dor que deveras sente”. Isaac Pimentel não finge! Depura em três momentos e 64 páginas o que de mais sublime o movimento humano inventou, e nele, ora se aprisiona, ora se liberta.

Gratidão Isaac Pimentel por nos brindar com a maestria sensível da sua mente.

 

Haja o que houver,

Kim Nunes – Editor

 

***

 

Confira a baixo uma rápida entrevista que fiz com o jovem autor:

 

(Tocantins Agora): Do que se trata a obra e qual a primeira tiragem?

(ISAAC PIMENTEL): Olá, leitores do Tocantins Agora! É muito bom estar aqui para relatar sobre o meu livro de estreia. Amor & Utopia se trata de poemas sentimentais vividos ou não. Escrevi estes poemas em fases pessoais diferentes, por isso, o livro é dividido em 3 sentidos (Capítulos), onde, O Primeiro Sentido traz poemas com visão utópica sobre o amor; O Segundo Sentido fala de quando esse amor foi encontrado e foi perdido; e O Terceiro Sentido fala sobre a necessidade de prosseguir, de viver, de se conhecer, se encontrar e se amar.  Em Amor & Utopia é exposta a vontade de ficar, o desejo de continuar, mas a necessidade de partir – Ida por si. A primeira tiragem foi de 120 exemplares, já estamos indo para a segunda!

 

(TOA): Qual a sua inspiração?

(IP): Minhas inspirações são os amores que passam por mim de forma direta e/ou indireta. Eu costumo dizer que Amor & Utopia é sobre mim e não é sobre mim, ao mesmo tempo. É sobre os sentimentos que passaram por mim de alguma forma, sobre as experiências, sobre as pessoas etc. Grandes autores como Fernando Pessoa e Clarice Lispector me ajudam bastante nesse processo de escrita, mas a música me ajuda a sentir. Só escrevo com música – minha companhia de todas as horas!

 

(TOA): Quais foram os principais desafios que encontrou para lançar seu primeiro livro?

(IP): O primeiro foi comigo mesmo, de achar que meus escritos não tinham capacidade ou relevância. Depois foi na parte de exposição, pois poesias, para mim, são sentimentos descritos, então é algo muito pessoal. Por último foi pelo apoio escasso, infelizmente no Brasil o meio artístico não é valorizado, o que dificulta bastante para quem já é do meio, e principalmente para quem está iniciando.

 

(TOA): Qual a importância da literatura tocantinense, na sua opinião, e como ela pode transformar realidades?

(IP): A literatura é um meio de comunicação e interação social, eu acredito que ela tem um papel fundamental de transmitir conhecimentos que compõem a cultura da sociedade. No Tocantins temos muitos autores independentes, muito bons, inclusive, tenho alguns amigos no ramo, mas infelizmente não são atribuídos a nós os valores necessários, como por exemplo, a inserção das obras e o estudo delas nas escolas locais.

Os artistas da região norte têm pouquíssima ou quase nenhuma visibilidade, tudo que é de fora é mais valorizado, embora nosso estado tenha um peso histórico importantíssimo para o país, ainda somos ignorados. Então, para mim, a literatura tocantinense tem importância fundamental à história do país justamente por ter essa carga histórica na qual o Brasil foi estruturado.

Eu acredito que a literatura pode sim transformar realidades em níveis extraordinários, além de proporcionar conhecimento, ela nos possibilita a diversidades das ideias, capacidade de reflexão, tolerância, nos tira da alienação, do fanatismo e do sectarismo político.

 

(TOA): Você teve suporte/apoio?

(IP): Mesmo sendo algo tão relevante para a educação e para a cultura local, há uma grande falta de apoio e incentivo para esse tipo de realização. É algo que precisamos mudar não só em nível de país, mas de município também. Sou o primeiro autor da cidade de Porto Alegre do Tocantins a publicar um livro, mas não sou o único escritor, não sou o único artista, tem muita gente que escreve, pinta, canta ou faz algum outro tipo de arte e tem um sonho como o meu, mas se vê sem espaço e sem investimento. Quanto à publicação do Amor & Utopia, tive apoio da minha família, amigos e uma parceria com a Editora Vecchio, mas tudo foi feito de maneira independente.

 

(TOA): Qual a sensação de ter seu primeiro livro concluído, e, já pensa em lançar uma segunda obra?

(IP): É uma sensação de sonho realizado, materializado. Olho para obra e fico todo bobo admirando a capa e seu significado, a estética, os poemas, foi tudo como eu idealizei, não me achando, mas me orgulhando de algo que nasceu de momentos tão precisos e que carrega tanto sentimentos sinceros. E sim! Vou continuar, pretendo participar de uma antologia e depois publicar outro livro, pode ser ou não a continuação de Amor & Utopia, alguns leitores já me pedem a continuação dos sentidos, não sei, veremos!

 

(TOA): Que mensagem você deixa ao seu público sobre persistência para realizar o que se sonha?

(IP): Agradeço por me acompanhar, por se interessarem pela minha escrita, obrigado! Para os que ainda têm a bela audácia de sonhar, realizar é só mais um passo. Se você escreve ou produz algum tipo de arte, eu sei que é difícil conseguir um espaço, principalmente no Brasil, no interior, mas não desista disso, criar é um dom celestial. Busque, compartilhe e faça por amor! A gente tá junto nessa!

 

(TOA): Como o livro pode ser adquirido?

(IP): Pode ser adquirido comigo, pelo meu instagram @isaaclmoises ou no facebook Isaac Pimentel, no Catálogo da Editora Vecchio, acessando o Instagram @editoravecchio, e em breve nas lojas virtuais da Americanas, Magalu, Amazon, Submarino, Estante Virtual e Shoptime.

 

BIOGRAFIA:

Isaac Pimentel tem 22 anos, é graduado em Licenciatura em Computação pelo Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Tocantins (IFTO) campus Dianópolis (2019). Graduado em Letras/Literaturas, pela Universidade Norte do Paraná (UNOPAR) polo Dianópolis (2019). Pesquisador na área educacional na temática Evasão Escolar e Mineração de Dados. Membro e Revisor do projeto de extensão Humanizando o Direito e a Assistência Social da UNITINS. Mestrando em Educação pela Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP e autor do Livro de poesias Amor & Utopia pela editora VECCHIO.

Playlist no Spotify: