Documentário “O Diário de Ana” trata sobre o valor da vida e seus desafios

O Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, nesta quinta-feira, 10, é uma importante data para conscientizar a população sobre a importância da prevenção ao suicídio. A data marca também a finalização do longa documentário “O Diário de Ana”, dirigido pelo cineasta Nival Correia, e que foca o valor da vida e seus desafios, contrapondo a ideia do suicídio.

De acordo com o diretor e roteirista do documentário, Nival Correia, o filme não aborda a morte propriamente, mas a vida dos jovens frente aos desafios deste século. “O documentário tem a missão de mostrar a importância de cada amanhecer como oportunidade de lutar a cada dia. Temos a função de mostrar a importância da vida, da luz e da sabedoria para enfrentar cada desafio do dia a dia”, resume.

A produção foi iniciada em julho de 2018 e conta com entrevistas de psicólogos, jornalistas, acadêmicos, religiosos, atletas e artistas, que falam sobre importância e valores da vida humana em relação aos casos de suicídio em Palmas. Assuntos como bullying, racismo, intolerância são abordados de forma documental e dramática, buscando uma  abordagem sensitiva e suave, com uma fotografia mais sensível e personalidade na luz, sons e ruídos.

Roteiro

“O Diário de Ana” tem como principal personagem a jovem  Dáleth Jeovana, uma  jovem negra, ativista e acadêmica do 5º período de  jornalismo de Tocantins  que lutava pelos direitos de jovens e mulheres negras. Foi jovem aprendiz do programa Renapsi e fazia parte da equipe do site Gazeta do Cerrado. Dáleti faleceu vítima de suicídio no dia 22 de outubro de  2017.

O documentário retrata a história de jovens brasileiros que tiveram a vida interrompida pelo suicídio. Apesar da morte ser um divisor, a leitura da série não discorre sobre a  morte, mas sobre a vida e seus desafios. O tom da série retrata a importância da  vida e suas relações em contraposição aos desafios que os jovens brasileiros enfrentam hoje.

O documentário foi gravado em Palmas, é dirigido por Nival Correia e tem produção da Fábrica Produções em parceria com o Ponto de Cultura “Telas em Cena”. A finalização do documentário teve apoio da Fundação Cultural de Palmas, via Edital Nº 008/FCP-CMPC/2019.

Acessibilidade

O longa passou por legendagem em inglês e espanhol, além de acessibilidade, com legendagem descritiva, libras e audiodescrição. A acessibilidade cumpre as Leis n• 10.048/00 e 10.098/00 e o Decreto no 5.296/04, que as regulamenta. O artigo 8º do Decreto define acessibilidade como sendo as condições para utilização, com segurança e autonomia, total ou assistida, dos espaços, mobiliários e equipamentos urbanos, das edificações, dos serviços de transporte e dos dispositivos, sistemas e meios de comunicação e informação, por pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida.

O diretor

Correia dirigiu recentemente a série de ficção “O Boneco de Barro e o Rei” para a TV Brasil, dirigiu a série “Amazon Fashion” para o Canal Fashion TV, fez direção de produção do longa “Sol da Bahia” para o canal CinebrasilTV e dirigiu o curta metragem “Menina Bonita de Tranças”.

Ficha Técnica

Direção e roteiro: Nival Correia

Direção de Fotografia: Celso Rezende

Som Direto: Paolo Magalhães

Produtor: Pablo Pereira

Edição: Elton Abreu

Produtora: Fábrica Produções

___

Cinthia Abreu