Caminhada Passos que Salvam mobilizou Dianópolis contra o câncer infantojuvenil

Publicidade

Publicidade

No último domingo, 26, foi realizada em Dianópolis a Caminhada Passos que Salvam, evento promovido pelos voluntários do Hospital de Câncer de Barretos, cujo objetivo é despertar a sociedade para o diagnóstico precoce do câncer Infantojuvenil, uma vez que esta, ainda é a maior causa de morte por doenças em crianças acima de um ano até o final da adolescência. Todos os anos, durante o último domingo do mês de novembro, a ação é realizada. A escolha da data está relacionada à proximidade com o “Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantil”, celebrado no dia 23 de Novembro.

Em 2012, primeiro ano em que ocorreu a mobilização, 19 municípios do Estado de São Paulo e dois de Rondônia caminharam, levando a população, empresas e entidades para participar do evento. Já no ano seguinte, o número mais que quadruplicou: 80 municípios participaram da caminhada em oito estados. A terceira edição foi ainda melhor: 201 cidades em 11 estados brasileiros caminharam juntas, no mesmo dia e horário, levando mais de 150 mil pessoas às ruas. Em 2015, foram 306 cidades de 12 estados que caminharam, comprometidos na luta contra o câncer infantojuvenil. No ano passado, a “Passos que Salvam” mobilizou 300 mil pessoas em cerca de 500 cidades de todo o Brasil.

Este ano em Dianópolis, as vendas dos kits da campanha superaram as expectativas, foram vendidos 800 ao todo, a renda é destinada para tratamento de crianças e adolescentes com câncer do Hospital Infantil de Barretos. Vários segmentos da sociedade participaram do evento e a expectativa é que a cada ano essa mobilização fortaleça. Informou Ana Valéria Rezende Póvoa Parente, voluntária que compõe a equipe organizadora do evento em Dianópolis.

Através dessa Campanha foi possível encaminhar uma médica e uma enfermeira do município para capacitação em Barretos sobre sinais e sintomas do câncer Infantojuvenil ajudando assim no diagnóstico precoce.

-- Publicidade --

Entre os sinais e sintomas mais comuns da doença, estão manchas roxas pelo corpo, dores de cabeça, vômito, perda de peso, fraqueza e dores nos ossos, sintomas que parecem comuns da infância e podem ser confundidos com doenças que acometem crianças e adolescentes, mas também podem ser o primeiro sinal de que há algo errado acontecendo.

De acordo com o diretor médico do Hospital de Câncer Infantojuvenil, Luiz Fernando Lopes, a unidade infantojuvenil do HCB tem todas as condições de tratar as crianças com a mesma qualidade dos países com alto nível de desenvolvimento (especialistas experientes, medicamentos adequados e uma excelente estrutura), mas nada disso impacta na vida das crianças se elas não chegarem precocemente para o tratamento. “Ainda há uma quantidade significativa de crianças chegando tardiamente em nossa instituição. O que falta é a conscientização de médicos, enfermeiros e familiares, e essa campanha é uma das melhores formas que encontramos para sensibilizar essas pessoas. Nós só alcançaremos níveis internacionais de cura se tivermos esse cenário favorável”, afirma.