“Sem a Unitins o sonho de termos um diploma de graduação seria um sonho distante", diz aluno (Foto: Edivan Cavalcanti/Ascom Unitins)
- Publicidade -

O sonho do diploma de um curso superior está prestes a ser realizado por quase cem pessoas da região de Dianópolis. Alunos remanescentes da extinta Faculdade para o Desenvolvimento do Sudeste do Tocantins (Fades), que chegaram a concluir os cursos mas não receberam a outorga de grau em virtude do fechamento da instituição, vão receber seus diplomas em solenidade nesta sexta-feira, 05, em Dianópolis.

A situação que vem se desdobrando desde 2012 será encerrada agora graças à intervenção da Universidade Estadual do Tocantins (Unitins), que percebeu o sofrimento e prejuízo dos estudantes e decidiu regularizar a vida acadêmica dos remanescentes. O reitor da Unitins, Augusto Rezende, entregou os diplomas a 93 alunos remanescentes da Fades em solenidade realizada no auditório do Colégio João D’Abreu.

Após integrar um acordo entre a Prefeitura de Dianópolis, que era a responsável pela Fades e que estava sendo acionada judicialmente para resolver a questão, Ministério Público Federal e Conselho Estadual de Educação, a Unitins recebeu a documentação acadêmica de mais de cem alunos, avaliou cada caso para validar o histórico dos estudantes e 93 desses acadêmicos já puderam colar grau e estão aptos a receberem os diplomas. Os outros alunos, que têm pendências acadêmicas – como disciplinas a cursar, continuarão os estudos pela Unitins.

“Sem a Unitins o sonho de termos um diploma de graduação seria um sonho distante, quase inalcançável. Estaríamos ainda lutando na Justiça e o processo poderia demorar décadas. Assim, a atuação da Unitins é digna de aplausos. Viu nosso sofrimento e foi tão solidária que decidiu assumir a responsabilidade pela diplomação e regularização da vida acadêmica dos advindos da Fades”, diz aliviado e agradecido o representante dos acadêmicos no processo, Marcelo de Melo Fernandes.

“A Unitins entendeu que nunca é tarde para ajudar e criou uma situação, em parceria com o Conselho Estadual de Educação e Ministério Público Federal, com segurança jurídica, para que fosse possível diplomar esses alunos, especialmente porque eles não teriam outra alternativa se não fosse o apoio da universidade”, explica o reitor da Unitins, Augusto Rezende.

O reitor destaca, também, que “a Prefeitura de Dianópolis também colaborou muito nesse processo, na articulação necessária. E dentro da concepção do Governo Municipalista, que o governador Mauro Carlesse empreende com o objetivo de ajudar os municípios que precisam, a instituição entende que a diplomação dessas quase cem pessoas ajudará no desenvolvimento da comunidade da Região Sudeste do Tocantins. É o Governo do Estado, por meio da Unitins, contribuindo com o município e dando o retorno que o povo precisa com ações efetivas”.

“O diploma para mim representa o resgate do meu futuro. Não somente o meu, mas de todos os colegas que estão na mesma situação. Todos nós fomos privados dos benefícios advindos da graduação por não termos o diploma e agora temos novamente a possibilidade de mudar nossa história, nosso futuro. Se minha vida fosse um livro escreveria um capítulo com o título ‘Felicidade’, retratando o que viveremos no dia 05 de julho, data da entrega dos nossos diplomas”, completa Marcelo Fernandes.

Instituições envolvidas

Além da Unitins várias outras instituições atuaram nesse processo desde 2012 para que agora se chegasse a esse resultado: diplomação dos estudantes. O grupo de alunos enaltece todo o apoio dado pela Defensoria Pública do Tocantins, por meio da Comarca de Dianópolis, na pessoa do defensor José Raphael Silvério; pela Justiça Federal, que homologou o acordo; pelo Ministério Público Federal, que também atou no caso, pelo Conselho Estadual de Educação que acompanhou todos os passos no processo de regularização; além da Prefeitura de Dianópolis.