Projeto Barraginhas deve amenizar o período de seca e já beneficia pequenos produtores rurais do Sudeste

Os reservatórios minimizam efeitos dos eventos climáticos críticos de estiagem no interior do Estado e também tem sido utilizada na produção de peixes para o consumo familiar

O projeto Barraginhas desenvolvido no Tocantins através da parceria entre a Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh) e o Instituto de Desenvolvimento Rural (Ruraltins) tem beneficiado a população que vive na zona rural do Estado e auxiliado na preservação do meio ambiente.

O objetivo principal do projeto é renovar o lençol freático, evitar o escoamento superficial, aumentar a infiltração da água no solo, umedecer baixadas e amenizar enchentes através da contenção da água da chuva e de enxurradas evitando a erosão do solo e assoreamento do leito dos rios, melhorando a recarga dos aquíferos subterrâneos.

Com a implementação das Barraginhas os produtores rurais encontraram outra forma de se beneficiar com os reservatórios. A água das chuvas captadas e armazenadas nas bacias tem servido para o gado matar a sede, facilitando a criação dos bovinos nas pequenas propriedades. A produtora rural da comunidade quilombola Poço Dantas localizada no município de Almas-To, Antônia Crisóstomo destacou que o projeto facilitou as atividades na chácara. “Antes das Barraginhas a gente tinha que deslocar o gado para os córregos mais próximos e o risco dos animais caírem era muito grande. Hoje em dia nós mantemos os animais nas áreas perto das Barraginhas e eles bebem água tranquilamente, poupando o nosso tempo que pode ser empregado em outra atividade”, afirmou.

Cada Barraginha tem um custo médio de R$ 370,00 financiado pelo Fundo Estadual de Recursos Hídricos (FERH). Atualmente o estado conta com 4100 Barraginhas nos municípios da região sudeste atendendo os municípios de Santa Rosa, Chapada da Natividade, Natividade, Rio da Conceição, Almas, Dianópolis, Porto Alegre, Novo Jardim, Ponte Alta do Bom Jesus, Taipas, Conceição, Taguatinga, Aurora, Lavandeira, Combinado, Arraias, Novo Alegre, Paranã e São Valério da Natividade.

Além de servir para o gado beber água e auxiliar na preservação do meio ambiente, algumas Barraginhas também estão sendo utilizadas para a criação de peixes que servem como complemento alimentar das famílias. Foto: Fernando Alves/Governo do Tocantins

Além de servir para o gado beber água e auxiliar na preservação do meio ambiente, algumas Barraginhas também estão sendo utilizadas para a criação de peixes que servem como complemento alimentar das famílias. “Eu tenho três Barraginhas na minha propriedade e crio peixes nelas. Além desse benefício de produzir meu próprio alimento, o projeto me proporciona um momento de distração principalmente quando é a época da pescaria. São nesses momentos que eu fico tranquilo”, pontuou o proprietário da Fazenda Canto, Elviro Ribeiro dos Santos situada em Almas-To.

O extensionista rural do Ruraltins de Almas-To, Juvenil Silva Nascimento visita periodicamente as propriedades que possuem Barraginhas e ressaltou a importância desse projeto. “Eu acompanhei as mudanças na vida dos pequenos produtores rurais após a instalação dos reservatórios, principalmente no período de estiagem. Agora o gado tem onde beber água e as famílias podem complementar a alimentação criando peixes nas Barraginhas”, afirmou.

Os benefícios dos reservatórios vão além do trabalho ambiental com a recarga do lençol freático, a criação de peixes e a dessedentação dos animais. Segundo o diretor de Planejamento e Recursos Hídricos da Semarh, Aldo Azevedo algumas Barraginhas atraem a fauna silvestre. “Um ano após a implantação dos reservatórios em um assentamento localizado em Arraias a gente presenciou patos selvagens nadando no reservatório. Essa espécie de animais não era vista na região há muito tempo. Ainda segundo o diretor Aldo, “as famílias cultivam ao redor das Barraginhas pequenas hortas que servem como complemento alimentar”, pontuou.

O projeto vai atender em 2020 e 2021 a região centro sul contemplando os municípios de Porto Nacional, Oliveira de Fátima, Fátima, Santa Rita, Brejinho de Nazaré, Crixás, Aliança, Gurupi, Peixe, Cariri, Figueirópolis, Sucupira, São Salvador, Alvorada, Talismã, Jaú e Palmeiropolis. Serão 3200 Barraginhas com uma média de 200 reservatórios por município.

Doação de alevinos

Na última sexta feira, 31, os pequenos produtores rurais das comunidades Baião e Poços Dantas, localizadas no município de Almas-To, receberam 10 mil alevinos da espécie Tabatinga através de doação realizada pelo produtor de alevinos do projeto Piratinininga, Auri Wudson. O objetivo da ação é fomentar a criação dos pescados por parte dos produtores e auxiliar na produção alimentar.

O diretor Aldo Azevedo participou do evento e destacou que os pequenos produtores estão transformando o projeto. “Na entrega dos alevinos podemos ver a mobilização da comunidade e a satisfação de poder prover o alimento das suas famílias através da criação dos peixes”. Ainda segundo o diretor “a doação dos alevinos vem de um pequeno produtor que está de mãos dadas com os outros produtores e isso é importante e merece o nosso agradecimento pelo companheirismo. O programa começou com um objetivo e agregou mais finalidades, por isso temos que trabalhar irmanados para darmos continuidade nos trabalhos”, afirmou.

Durante o evento a comunidade apresentou um pouco das suas tradições culturais dançando a sússia e a folia de reis. A ação contou também com a distribuição de rações e uma palestra informativa sobre os primeiros cuidados com os alevinos. Há dois anos os produtores recebem as doações e tradicionalmente no encerramento do evento os participantes se deslocam para uma Barraginha local e fazem o povoamento.

___

Robson Corrêa/Governo do Tocantins