- Publicidade -

O deputado Eduardo Siqueira Campos (DEM) utilizou a tribuna da Assembleia nesta terça feira 30, para pedir ao Governo do Estado uma relação das obras paralisadas do Estado. O objetivo do parlamentar é provocar a discussão deste tema na Assembleia Legislativa e para evitar que novas obras tenham início enquanto outras ainda estão inacabadas.

O parlamentar defendeu que a relação de obras inacabadas faça parte das discussões durante a tramitação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). “É um custo alto para aprovar, é um custo alto para ficar paradas e o cidadão não pode ser penalizado, que se puna o gestor que iniciou e causou os problemas, mas não a população”, destacou o deputado, que afirmou manter uma agenda junto ao Tribunal de Contas e outras instituições para saber os motivos da paralisação das obras.

“Eu mesmo me comprometo a só fazer emendas para obras que estiverem inacabadas”, reforçou o parlamentar.

Ainda sobre a boa gestão dos recursos públicos, Eduardo Siqueira apoiou a determinação do governador Mauro Carlesse em mandar recolher os veículos oficiais e determinar a melhor utilização da frota do Estado. “Atos como este eu apoio. Quem quer ser secretário que vá trabalhar com sua gasolina. Pois não é justo que utilizem veículos oficiais enquanto o trabalhar vem de longe de bicicleta, pois as vezes não tem o dinheiro para pagar o ônibus”, destacou.

O democrata, que mais uma vez reafirmou sua posição de governista, voltou a defender a necessidade de devolução por parte do Executivo, de prédios alugados, e também para que os cortes que poderão ser feitos nas folhas de pagamento, não atinjam serviços essenciais como motoristas de ambulâncias e outras funções assemelhadas.

Por fim, Eduardo Siqueira reforçou a importância da atualização do Regimento Interno da Assembleia Legislativa, para que o Parlamento Estadual já inicie na nova legislatura com uma nova organização. O deputado destacou a urgência de se criar a liderança da minoria e que os debates passem a ter mais importância. “Hoje gastamos mais tempo apresentando requerimentos. Na Câmara dos Deputados, requerimento é entregue à mesa e é votado. Lá quando se inicia a Ordem do Dia, Deputado que não estiver no plenário já levou falta. Precisamos dar mais importância aos debates nesta Casa”, ressaltou.