EDITORIAL: A eleição suplementar já tem um vitorioso

Publicidade

Publicidade

Após o advento da eleição suplementar que acontece no Tocantins por conta da cassação de Marcelo Miranda (MDB) e da vice, Claudia Lelis (PV) uma verdadeira reviravolta constante tomou conta de todo o estado. Sete candidatos percorrem as mais distantes cidades para conquistar o voto para um mandato tampão, é possível que destes sete que pleiteiam o Palácio Araguaia, ao menos dois caiam pela insegurança do registro de suas candidaturas.

Um ponto importante precisa ser notado nesta eleição atípica, independente do resultado após as aberturas das urnas no próximo dia 3 de junho, podemos dizer que já se extraiu dela, um vitorioso. Trata-se do ex-deputado federal e pré-candidato ao senado Eduardo Gomes (SD).

Gomes é um dos principais, se não o principal, articulador a frente da campanha de Vicentinho Alves (PR). Sua habilidade em costurar alianças tem sido um fator importante para colocar Vicentinho no primeiro lugar do podium apontado por pesquisas de diversos institutos, embora alguns números de outros veículos distorçam, o fato é que a campanha do PR, é a que mais rapidamente ganhou o oxigênio das ruas e pôde ser compreendida na base das cidades do interior. É inegável a força que ganhou.

Prefeitos, vereadores e lideranças com poder de conquista e aglutinação de votos, estavam no início deste pleito suplementar quase que totalmente divididos ou indecisos. De norte a sul, Eduardo Gomes com sua habilidade cirúrgica em selar alianças foi aos poucos conquistando prefeitos, ex-prefeitos, vereadores e uma grande e importante quantidades de líderes formadores de opinião em torno da campanha de Vicentinho Alves. Em diversas cidades, Eduardo conseguiu unir num mesmo palanque, opositores históricos.

Seu bom transito com políticos das mais diversas frentes, o fez ser o articulador mais importante na campanha de Vicentinho

Mas o que isso nos diz?

Sem nenhuma dúvida, Eduardo Gomes soube se destacar neste momento em que o Tocantins precisa buscar o rumo certo para seu futuro. O homem calçou a botina e andou todo o estado, marcou presença, mostrou que, mesmo sem mandato seu nome não foi esquecido, pelo contrário, está muito fortalecido e respeitado. Basta olhar a quantidade de adesões à campanha de Vicentinho.

Na imagem, da esquerda para direita estão Vilmar do Detran, Vicentinho Alves, Padre Gleibson Moreira (prefeito de Dianópolis) e Eduardo Gomes. O prefeito Gleibson anunciou recentemente seu apoio, após deixar a campanha de Amastha

-- Publicidade --

Eduardo Gomes é o nome mais lembrado em qualquer pesquisa de consumo interno, quando o entrevistado é perguntado em quem votaria para o senado nas eleições de outubro deste ano. De fato, não há outro pré-candidato às duas vagas para o senado que esteja neste momento, melhor posicionado. Nenhum outro pré-candidato peitou chamar a responsabilidade para si, ao correr o risco em ser linha de frente nesta eleição suplementar.

Articulador hábil, inteligente e sagaz. Se esta eleição suplementar tem hoje um vitorioso, ele se chama Eduardo Gomes, que, independente do resultado do próximo dia 3 de junho, é quem sairá com muito fôlego para dar um forte “start” na corrida para o senado. Rodeado de líderes e respeitado nas bases, Gomes é dos poucos políticos com trânsito livre até mesmo entre seus antigos opositores no interior. Seu poder de unir pessoas pode colocar a caneta de governador não mão de Vicentinho neste mandato tampão.

 

Pela experiência que tenho de cobertura e análise de eleições, devo dizer que nunca saiu da urna um resultado que contrariasse a tendência revelada pelas pesquisas. Para mim, portanto, pesquisa é confiável e, você mesmo pode fazer uma na sua casa, na sua sala de aula, na fila da padaria e constatar o que neste editorial tenho analisado. Mas é preciso saber interpretar a pesquisa e isso é bem simples: as manifestações de rejeição são mais importantes que as de intenção de voto. É a solidez do “neste eu não voto de forma alguma”.

Analisando as pesquisas de diversos institutos, (a nossa inclusive) e tendo conseguido acesso a alguns dados de consumo interno dos quatro candidatos que se destacam, é fato claro como água na nascente que Vicentinho Alves tem uma boa vantagem em todos os levantamentos. Só tenho minhas dúvidas se irá para o segundo turno com Kátia Abreu (PDT) ou com o governador interino Mauro Carlesse (PHS). Não vejo nenhuma possibilidade de outro quadro se formar nesta perspectiva.

Somos um estado gigante, beneficiado pela natureza e povoado por gente boa. Eduardo Gomes sabe disso, ele é parte dessa gente. Sempre foi, por isso colhe frutos e acolhe apoios, é um líder diferenciado, tocantinense do pé rachado que ao conversar com seus eleitores, tem a capacidade de chamá-los pelo nome (uma memória de elefante) ao cumprimentar.

Eduardo entrará na disputa próxima com uma larga vantagem: a de conhecer a realidade das cidades e das pessoas. Ficou na última eleição com uma medalha de prata, mas Gomes é desses que sabem avaliar os acontecimentos para projetar passos com mais sabedoria.

O Tocantins é quem ganha.

 

Haja o que houver,

Stephson Kim – Editor