Facebook oferta bolsas de estudo sobre impacto de redes sociais na política

Publicidade

A rede social Facebook anunciou nesta segunda-feira suas primeiras bolsas de pesquisa para acadêmicos que estudam o impacto das redes sociais nas eleições, como parte de um esforço para evitar a manipulação de plataformas sociais.
Publicidade

Publicidade

De acordo com o Facebook, cerca de 60 pesquisadores de 30 instituições acadêmicas de 11 países foram selecionados após um processo de revisão pelo Social Sciences Research Council e pelo grupo independente da Social Science One.
O Facebook começou a iniciativa de pesquisa no ano passado depois de revelações sobre supostas interferências externas na campanha eleitoral de 2016 nos Estados Unidos e no referendo para o “Brexit” da União Europeia na Grã-Bretanha.
Ele começou a solicitar propostas no ano passado e, nesta segunda-feira, anunciou suas primeiras bolsas de pesquisa.
“Para garantir a independência da pesquisa e dos pesquisadores, o Facebook não desempenhou nenhum papel na seleção de indivíduos ou seus projetos e não terá nenhum papel na condução dos resultados ou conclusões da pesquisa”, disseram os executivos Elliot Schrage e Chaya Nayak em um blog do Facebook.
“Esperamos que esta iniciativa aprofunde o entendimento do público sobre o papel das redes sociais nas eleições e na democracia e também ajuda o Facebook e outras empresas a melhorar seus produtos e práticas”, disseram.
Os pesquisadores terão acesso às informações internas do Facebook por meio de uma “infraestrutura única de troca de dados para fornecer aos pesquisadores acesso aos dados do Facebook de uma maneira segura que proteja a privacidade das pessoas”, escreveram Schrage e Nayak.
“Preocupações sobre desinformação, polarização, propaganda política e o papel das plataformas no campo da informação não diminuíram. Na verdade, aumentaram”, ressaltaram.
Alguns dos grupos de pesquisa acima mencionados estão localizados nos centros da Northeastern University, da University of Ohio e da University of New York nos Estados Unidos; no Instituto de Estudos Políticos da França; na Universidade Nacional de Chengchi, em Taiwan, e na Universidade de São Paulo, entre outras.

Publicidade