Pego de surpresa, Eduardo Siqueira Campos faz emocionante e histórico discurso na posse de Gutierres Torquato

EDITORIAL

Por ocasião da posse de Gutierres Torquato (PSB) na Assembleia Legislativa, o deputado estadual Eduardo Siqueira Campos (DEM) foi convidado, de surpresa, pelo presidente da Casa Antonio Andrade (PSL) para proferir o discurso de boas-vindas ao novo parlamentar. Com as surpresas das movimentações nos bastidores políticos que vão desenhando o cenário das eleições desse ano e que, ganham mais forma com a posse de Torquato, quem acabou chamando mais atenção no momento solene de hoje foi o próprio Eduardo Siqueira com um dos discursos mais emocionantes já assistidos, isto, leia-se, de repente, de surpresa.

A posse marcada pelo peso de dois senadores da República (Kátia e Irajá) de uma Desembargadora (Ângela Prudente), prefeitos, vice-prefeitos, vereadores e lideranças, além do padrinho político de Gutierres, Laurez Moreira (PDT) que foi chamado por Eduardo, de “a maior expressão política da região sul e também, igualmente, uma das maiores lideranças dentre os quadros políticos do Tocantins”.

Em um recente (e arrogante) artigo de opinião política difundido na máquina de moer reputações que se tornou o WhatsApp, Eduardo Siqueira foi chamado de “Um príncipe sem reino”. Ao comentar o artigo numa entrevista ao site Gazeta do Cerrado Eduardo disse que sua meta no momento tem sido “ser o melhor pai para os filhos e melhor filho para o seu pai” afirmando que seu objetivo é manter-se pacificado política e familiarmente.

Observo aqui o passeio pela poesia política que fez o deputado Eduardo Siqueira num pronunciamento sensível que acabou pegando não só ele de surpresa, mas também o homenageado que tomou posse e o público presente.

Senhor da noite, faço-me também senhor do fogo, o sono eu deixo para vocês, os que dormem. O sonho não. Esse eu mesmo o carrego

É brilhantemente raro a forma que adota em seus discursos, ex-deputado federal por duas vezes, prefeito de Palmas, Senador da República e deputado estadual por dois mandatos. Eduardo Siqueira retira de Paulo Leminski que foi um escritor, poeta, crítico literário, tradutor e professor brasileiro a frase para dizer à Gutierres Torquato: “Seja bem-vindo à Assembleia Legislativa”, reconhecendo na mesma frase a força daqueles que são protagonistas dos próprios sonhos e por que não, do protagonismo do jovem novo deputado.

Um banquete como na filosofia de Platão.

O discurso, as palavras escolhidas, os gestos de líder, fazem de Eduardo, não um príncipe sem reino, mas sim, um tipo de “o último dos moicanos” da política e da literatura poética política do Tocantins. Como seu pai é um dos últimos de uma espécie rara e valiosa.

NO VÍDEO CONFIRA O DISCURSO COMPLETO DO DEPUTADO

Eduardo Siqueira Campos usou a alegoria dos sonhos para homenagear Gutierres, afirmou que os sonhos não morrem, se disse filho do Legislativo, tendo crescido pelos corredores da Câmara Municipal de Colinas onde seu pai foi vereador e depois pelas Casas que passou.

Mais do que um poeta político, nota-se que Eduardo está mais maduro, privilegia em sua essência, a sensibilidade no trato e no efeito de seu mandato. “O mal da pouca idade o tempo cura” disse ainda em seu discurso parafraseando Marco Aurélio Melo, ex-ministro do STF

Como ele mesmo disse à Gazeta: ser o melhor pai para os filhos e melhor filho para o seu pai”. Eu ouso emendar à sua frase: É um dos melhores políticos que temos e tivemos, um fidalgo, um protagonista de seus sonhos, líder servidor que possibilitou a porta aberta a outros tantos sonhos tocantinos.

“A vida é uma história de dor e reconstrução, uma alegoria acerca da capacidade humana de elaboração e superação”. Em campanha ao Legislativo, vale lembrar que Eduardo Siqueira forjava no recomeço o ideal de não parar de sonhar.

Quem não sonha está morto!

 

Haja o que houver, Kim Nunes – Editor Chefe